Você tem saudade de quê?

Alan Caldas 09/08/2019
Por Alan Caldas – Editor

Por Alan Caldas – Editor

O bom de ver o tempo passando, que no fundo é o que se chama de “ficar vivo”, é poder ir tendo saudade do que se viveu no passado. Não há vida sem passado. O passado existe, sim. E do passado de Dois Irmãos, uma das coisas que tenho doce lembrança é o Departamento de Tiro da Sociedade Atiradores.

 
Há 122 anos a Atiradores marca profundamente a vida social da nossa Dois Irmãos. 122 anos!!! Não é brincadeira. Ela foi fundada no dia 1º de março de 1897, pela liderança do senhor Jacob Schmitt e seus amigos, e surgiu para incentivar a prática do tiro.
Desde que foi fundada, a Sociedade Atiradores tornou-se uma referência de quem era quem na cidade. Nas ruas, dizia-se que daquele grupo de atiradores participava só a elite de Dois Irmãos. Mas não era apenas o dinheiro que media esse ser ou não ser da elite. O fato é que, para pertencer ao grupo de tiro, era preciso pagar uma “joia” ao se associar no clube. E, além disso, era necessário pagar a mensalidade que manteria os estandes de tiro, as armas, a munição e tudo mais do clube. E não era barato. Nem todos tinham caixa para isso. E tinha mais uma coisa: o grupo era fechado. Não era qualquer pessoa chegar lá e “se associar”. Não senhor. Era preciso ser “convidado” por um dos conselheiros. Sem isso, não integraria o grupo de atiradores.


A história dos alemães gostarem de reunir-se em sociedades de tiro vem desde o nosso Império. Isso começa em meio aos alemães quando o Imperador brasileiro contratou 1.600 soldados alemães para lutar numa guerra na Argentina. Os 1.600 soldados chegaram aqui e precisavam praticar o tiro. Eles faziam estandes, para dar tiro organizadamente, como se faz no exército. E aqueles soldados ficaram convivendo em meio aos alemães que naquela época estavam recém começando a colonização germânica aqui no Rio Grande. Os soldados foram se misturando com a população. E durante esses treinos de tiro dos soldados alemães contratados pelo Imperador que surgiria, entre os “nossos” alemães, o gosto pelo tiro. Tudo tem sempre uma explicação. A do tiro é essa. É boa. E tem procedência histórica.


Tão logo foi fundado em 1897, o grupo de tiro da Sociedade Atiradores de Dois Irmãos passou a ganhar muitos troféus para o então vilarejo. Era um grupo coeso e alegre, que participava normalmente de quatro disputas anuais em cidades como Novo Hamburgo, Campo Bom, Igrejinha e Nova Petrópolis. A Atiradores ganhou, inclusive, O Campeonato Estadual de Tiro, tornando-se a cada ano mais respeitada.
Como alegria é sentimento que tem altos e baixos, a alegria dos Atiradores sofreu uma baixa durante o período da guerra. É a nossa velha conhecida história do Eixo, durante a Guerra Mundial. O Brasil ficou do lado contrário ao da Alemanha, e as práticas culturais alemãs foram sendo reprimidas. Entre essas repressões, estava a do tiro, é óbvio. Aos olhos do governo, se reunir para praticar tiro é muito mais perigoso do que dançar ou cantar em alemão. Sendo assim, no período da Guerra Mundial a prática do tiro foi suprimida em todas as sociedades de tiro cujos integrantes tinham sangue alemão.
Quando Hitler foi derrotado e as águas da tempestade da Guerra baixaram, o grupo de atiradores voltou. E o que sempre se via era que a prática do tiro era uma atividade tremendamente festiva.


Como era o tiro?
Era simples. Atirava-se com uma carabina de calibre 22, que pesava 7 quilos. Uma arma muito bonita e que pertencia à própria Sociedade Atiradores. 
A arma ser da sociedade facilitava as coisas. Primeiro porque os atiradores não precisavam comprar a carabina, que era cara. Segundo, que não necessitavam de porte de arma, para transporte delas quando iam a concursos fora de Dois Irmãos.
 Aqui na cidade se praticava o tiro normalmente uma vez por semana. Era às quintas-feiras. De noite. Os estandes ficavam nos fundos da Sociedade Atiradores, onde hoje está o bolão. Havia dois estandes, com alvos que ficavam a uma distância de 50 metros do atirador. 
Aliás, um detalhe: no início, essa distância era maior, chegando a 150 metros. Imagina acertar um tiro a olho nu numa distância de 150 metros. Tinha de ter pontaria. Mas, aos poucos, essa distância entre o atirador e o alvo foi reduzindo, até ficar estabelecida a distância de 50 metros entre atirador e alvo. 
Um detalhe incrível dessa sociedade de atiradores é que não era necessário saber atirar para integrar o grupo de atiradores. É que havia um diretor da sociedade que era instrutor, e quando a pessoa passava a integrar o clube, a sociedade lhe dava “como brinde” aulas de tiro com esse instrutor. 
As pessoas literalmente se apaixonavam por esse grupo. Seu Rodolfo Lautert, por exemplo, chegou em Dois Irmãos em 1961 e logo se encantou pelo convívio comunitário proporcionado pela sociedade de tiro. Seu Glauto Bender igualmente, assim como o professor Waldomiro Rörig e tantos e tantos outros, muitos dos quais infelizmente Deus levou e agora só os vemos em nossas saudosas memórias.


O mundo mudou. 
E para melhor, em alguns aspectos, e o grupo de tiro também sofreu a influência do tempo. 
Por exemplo: durante quase um século essa atividade de tiro foi 100% masculina. Os atiradores de Dois Irmãos só começaram a ver saias em seu meio lá nos anos 80, quando seu Rodolfo Lautert levou a filha Anete para treinar tiro. A entrada da Anete no departamento incentivaria a participação de outras mulheres, ao longo do tempo. E atirava bem, a Anete. Ela sagrou-se Rainha do Tiro em 1984, atirando melhor que muitos dos homens que integravam aquele departamento. Foi ela que abriu espaço naquele universo masculino para o universo feminino.


Hoje a prática do tiro acabou, em Dois Irmãos. E ocorreu de forma lamentável. Mas ... deixa para lá. As amargas, não!
O negócio é que o tempo andou e foi deixando a prática do tiro com carabina apoiada só na nossa saudade. Saudade de um tempo em que tudo era diferente, e que por ser assim, diferente, acabou nos deixando saudosos daquele tempo lindo que se foi.


› Compartilhe

COLUNAS

  • Anúncio Jornal

COLUNAS

De quem é a responsabilidade?

De quem é a responsabilidade?

Opinião   15/10/2019

Honra aos professores!

Honra aos professores!

Coluna da Fé   15/10/2019

Inveja merecida

Inveja merecida

Pitter Ellwanger   11/10/2019

Playlist 14

Playlist 14

Pitter Ellwanger   11/10/2019

Sínodo da Amazônia

Sínodo da Amazônia

Coluna da Fé   09/10/2019

Muralhas

Muralhas

Coluna da Fé   04/10/2019

“NÃO DÁ NADA”

“NÃO DÁ NADA”

Opinião   01/10/2019

E que a terra te seja leve!

E que a terra te seja leve!

Alan Caldas   30/08/2019

Tolerância intolerável

Tolerância intolerável

Pitter Ellwanger   30/08/2019

Playlist #13

Playlist #13

Pitter Ellwanger   30/08/2019

Isso era no tempo da tua avó!

Isso era no tempo da tua avó!

Alan Caldas   23/08/2019

Sobre desperdício

Sobre desperdício

Pitter Ellwanger   23/08/2019

Playlist #12

Playlist #12

Pitter Ellwanger   23/08/2019

E a dor de barriga?

E a dor de barriga?

Pitter Ellwanger   17/08/2019

Playlist #11

Playlist #11

Pitter Ellwanger   17/08/2019

Iguais e diferentes

Iguais e diferentes

Pitter Ellwanger   27/07/2019

Playlist #10

Playlist #10

Pitter Ellwanger   27/07/2019

Meio século de esperança

Meio século de esperança

Alan Caldas   19/07/2019

Com o tempo você . . .

Com o tempo você . . .

Alan Caldas   12/07/2019

Na certeza, duvide

Na certeza, duvide

Pitter Ellwanger   12/07/2019

Playlist #9

Playlist #9

Pitter Ellwanger   12/07/2019

Elas sempre sabem

Elas sempre sabem

Pitter Ellwanger   09/07/2019

Playlist #8

Playlist #8

Pitter Ellwanger   09/07/2019

Nunca é demais

Nunca é demais

Pitter Ellwanger   01/07/2019

Playlist #7

Playlist #7

Pitter Ellwanger   01/07/2019

Retalhos

Retalhos

Pitter Ellwanger   21/06/2019

Playlist #6

Playlist #6

Pitter Ellwanger   21/06/2019

Longa vida ao menino

Longa vida ao menino

Pitter Ellwanger   14/06/2019

Playlist #5

Playlist #5

Pitter Ellwanger   14/06/2019

Alguém já viu o bicho da chuva?

Alguém já viu o bicho da chuva?

Alan Caldas   03/06/2019

Rótulos simpáticos

Rótulos simpáticos

Pitter Ellwanger   01/06/2019

Playlist #4

Playlist #4

Pitter Ellwanger   01/06/2019

A culpa é do celular

A culpa é do celular

Pitter Ellwanger   29/05/2019

Playlist #3

Playlist #3

Pitter Ellwanger   29/05/2019

Playlist #2

Playlist #2

Pitter Ellwanger   21/05/2019

Querer é poder?

Querer é poder?

Pitter Ellwanger   21/05/2019

Muito a evoluir

Muito a evoluir

Pitter Ellwanger   18/04/2019

Playlist #1

Playlist #1

Pitter Ellwanger   18/04/2019

FOTOS DO DIA

Olha o passarinho! Os paparazzi não dão folga... (Foto: Octacílio Freitas Dias)

  • JDI assinatura
  • JDI classificados

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS