“Levarei de Morro Reuter a generosidade de aceitar a mensagem recebida”, diz padre César

05/10/2020
(Fotos: Arquivo Pessoal)

(Fotos: Arquivo Pessoal)

O padre César Augusto Worst, 43 anos, se despediu recentemente da Paróquia Imaculada Conceição de Morro Reuter. No dia 1º de novembro, ele assumirá a Paróquia Santa Teresinha de Campo Bom. Já a comunidade morro-reutense, agora tem como pároco Pe. Luiz Pedro Wagner, que estava como Reitor da Catedral São Luiz Gonzaga de Novo Hamburgo e tomou posse neste domingo (4). 
Em entrevista ao Jornal Dois Irmãos, Pe. César falou da sua experiência de sete anos no município e das boas lembranças que levará na memória e no coração. Filho de Cyrillo Worst (falecido) e Elisa Worst, ele nasceu no Hospital de Caridade das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, em Viamão, e criou-se em Novo Hamburgo. Tem duas irmãs – Alexandra Worst e Andréia Worst Oliveira – e familiares espalhados por Dois Irmãos, Joaneta, Ivoti e Nova Petrópolis.


Quais são as lembranças que levará da cidade?
Pe. César
– Levarei da cidade de Morro Reuter a generosidade de aceitar a mensagem recebida. Procurei utilizar todos os meios possíveis para chegar a pessoas diferentes. Fazia encontros nas comunidades para explicar a doutrina (Escola da fé); recolhimentos espirituais masculinos e femininos; procurava fazer das celebrações Eucarísticas encontros com Deus. As pessoas precisavam perceber não apenas a obrigação de ir a missa, mas sobretudo a necessidade. Outra coisa foi a criação de uma grande equipe de colaboradores em vários setores da comunidade. Aqui, seria imprudente eu citar, pois poderia ser injusto e me esquecer de alguém. Devo dizer ainda algo mais. No dia em que fui empossado na Paróquia Imaculada Conceição, disse com todas as letras: “Venho ao Morro Reuter querendo ser pai de todos”. De fato, é uma convicção que tenho. Padre, significa, pai. Para mim, o sacerdócio só tem sentido se o padre faz das pessoas seus filhos e da comunidade sua família. Assim procurei viver meus anos de pároco aqui. E é justamente aqui uma feliz lembrança: tive ótimos filhos e filhas em Morro Reuter.


Leia a entrevista completa na edição impressa e na digital.


› Compartilhe

  • Instagram

COLUNAS

 “No Humano um brilho sem igual”

“No Humano um brilho sem igual”

Coluna da Fé   07/01/2021

Qual número você calça?

Qual número você calça?

Opinião   22/12/2020

Como vencer a fadiga da pandemia

Como vencer a fadiga da pandemia

Coluna da Fé   22/12/2020

FOTOS DO DIA

Esperando o dono na porta do mercado, até porque sem máscara não pode entrar (Foto: Octacílio Freitas Dias)

  • Assinatura digital

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © , Todos os direitos reservados Agência Vela