RS registra pelo menos 22 mortes por afogamento neste verão

06/01/2021
Fonte: GZH / Foto: Corpo de Bombeiros

Fonte: GZH / Foto: Corpo de Bombeiros

De acordo com o Corpo de Bombeiros no Rio Grande do Sul, desde o início da Operação Verão, dia 19 de dezembro do ano passado, houve 22 mortes por afogamento no Estado. O número é 22% maior do que na temporada passada, quando os guarda-vidas haviam registrado maior circulação de pessoas na areia ou entrando na água. O alerta é grande porque, do total de casos, apenas dois foram em áreas com guaritas. Além disso, os salvamentos estão 36% maiores.

Os dados deste verão foram contabilizados até domingo (3). Nos mesmos 16 dias da temporada passada, houve 17 mortes por afogamento em áreas com atuação de guarda-vidas e uma nos locais com guaritas. Naquela época, este óbito foi em uma praia na região chamada pelos bombeiros de águas internas. Os dois óbitos do verão atual em área monitorada foram no Litoral Norte.

O major Isandre Antunes, chefe de operações do Corpo de Bombeiros no Estado, diz que os banhistas estão mais imprudentes, muitos deles saindo dos locais em que houve alerta de aglomeração e indo para pontos sem guaritas.

— O que estamos verificando atualmente é que estas aglomerações estão nos prejudicando inclusive na visibilidade em relação aos banhistas em áreas de risco. Além disso, agora, quando diminuiu significativamente a presença de pessoas na faixa da orla, principalmente, há maior incidência de casos imprudentes, fazendo com que aumente a nossa prevenção e essas pessoas estão se arriscando em áreas sem a nossa proteção — alerta Antunes.

 

Salvamentos

O aumento foi de 36% nesta temporada, com 162 casos contra 119 no período anterior. O maior número de resgates foi no Litoral Norte, mas no Litoral Sul também houve aumento significativo dos casos. Já nas águas internas, houve diminuição no número de salvamentos. Ainda neste verão, os guarda-vidas localizaram 66 pessoas desaparecidas na beira da praia e fizeram nos primeiros 16 dias de atuação mais de 54 mil ações preventivas.

Antunes afirma que o foco é o resgate de pessoas na água e o trabalho preventivo. Mas destaca que todo o efetivo está orientado a alertar e informar sobre aglomerações. Se houver insistência, a Brigada Militar ou Guarda Municipal serão acionadas. No Ano-Novo, houve vários casos, principalmente em Xangri-lá, Capão da Canoa e Imbé. No entanto, Antunes destaca que não é feito levantamento sobre estes alertas.

 

Verão anterior

Litoral Norte - 86

Litoral Sul - 7

Águas Internas - 26

 

Verão atual

Litoral Norte - 124

Litoral Sul - 25

Águas Internas - 13


› Compartilhe

  • Instagram

COLUNAS

 “No Humano um brilho sem igual”

“No Humano um brilho sem igual”

Coluna da Fé   07/01/2021

Qual número você calça?

Qual número você calça?

Opinião   22/12/2020

Como vencer a fadiga da pandemia

Como vencer a fadiga da pandemia

Coluna da Fé   22/12/2020

FOTOS DO DIA

Esperando o dono na porta do mercado, até porque sem máscara não pode entrar (Foto: Octacílio Freitas Dias)

  • Assinatura digital

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

BOLETIM CORONAVÍRUS
20/01/2021SAÚDE
BOLETIM CORONAVÍRUS
Jornal Dois Irmãos © , Todos os direitos reservados Agência Vela