Num ato de bravura, comerciantes abrem a meia-porta

20/04/2020
Situação preocupa comerciantes

Situação preocupa comerciantes

Desde março, o comércio de Dois Irmãos está impedido de trabalhar. As negociações com empregados e alugueis têm ocorrido. Mas tudo está difícil. No sábado (18), e num ato de coragem, alguns comerciantes abriram a meia-porta. O resultado ficou abaixo do esperado, na maioria, mas já é uma alavanca para que as coisas possam economicamente ir voltando. Agora é hora de toda comunidade ajudar. Hoje pela manhã (20), o Editor Alan Caldas ouviu alguns desses empresários. Acompanhe:


Vanessa de Souza Breunig é da DB Piscinas e diz que o sol de sábado animou as pessoas. “Tivemos procura de produtos químicos, e vendemos o básico do básico, mas pelo menos tivemos algum movimento financeiro”. Ela diz, também, que vendas maiores não estão ocorrendo. “Não tivemos nem pedidos de orçamento neste período”.  


João Borba representa a Ortobom em Dois Irmãos, e ele, como os demais empresários do comércio, havia fechado para atendimento no dia 20 de março. Reabriram a meia-porta, no sábado. E está feliz. Conseguiram um bom resultado. “Tivemos cinco clientes e realizamos duas vendas”, diz ele, lembrando que a empresa conseguiu, assim, realizar a meta que havia estabelecido para o empreendimento.


Desde 2008 no mercado de brinquedos, Simone Mombach abriu sua loja Sonho de Criança a meia-porta, no sábado pela manhã. Um horário curto, das 9 às 11h30, mas com fraco resultado. “Entraram sete ou oito pessoas”, diz ela, “mas é procura por brinquedos bem, bem baratos, e notei muita gente reclamando de falta de dinheiro e também querendo comprar em ficha”.


Marlene Klauck Vier, da PegStore, diz que a loja foi aberta a meia-porta, no sábado, e o resultado foi “bem devagar”. Segundo ela, entraram poucas pessoas, “e as que entraram vieram mais para pagar do que para comprar”. A loja até oferecia, “mas os clientes diziam que talvez mais tarde, e o que se vendeu foi uma coisinha ou outra, especialmente chinelos de lã adulto e infantil, que é o que estão usando em casa”.


Lisa de Oliveira, da Lisaliz, tem loja em Dois Irmãos e Morro Reuter. Em Dois Irmãos, ela abriu no sábado, no horário comercial, mas o resultado foi fraco. “Vieram duas clientes que estavam agendadas e um homem, que passava pela rua, entrou e comprou um presente, e foi esse o movimento todo do dia”. Ela colocou 30% de desconto mesmo nos lançamentos, pois tem de fazer caixa devido ao custo fixo da empresa, “mas mesmo com desconto está difícil, porque as pessoas estão desanimadas”. 


O La Bodeguita Beer abriu também com agendamento e porta semi-aberta, e, tal qual os demais, enfrentou o pouco movimento. “Fizemos apenas duas vendas, no sábado”, diz Décio Weber Júnior, “e o que se nota é o receio que ainda está nas pessoas”. Segundo ele, a venda está “muito abaixo do normal”, considerando, também, o produto que a empresa oferece, que é cerveja e produtos congelados.


› Compartilhe

  • Instagram

COLUNAS

A dignidade da família

A dignidade da família

Coluna da Fé   21/10/2020

A educação e o espírito

A educação e o espírito

Coluna da Fé   16/10/2020

Como podemos agir neste mundo?

Como podemos agir neste mundo?

Coluna da Fé   15/10/2020

FOTOS DO DIA

A beleza do beija-flor captado em pleno voo pelo fotojornalista Octacílio Freitas Dias

  • Assinatura digital

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © , Todos os direitos reservados Agência Vela