Pandemia reflete em aumento de 156% no número de casos de mediação trabalhista

27/04/2020
Fonte: GaúchaZH

Fonte: GaúchaZH

Com o avanço da crise do coronavírus, a procura por mediação de conflitos entre empregados e empregadores deu um salto na Justiça do Trabalho do Rio Grande do Sul. Entre 16 de março e 23 de abril, o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) contabiliza 23 mediações. Isso representa crescimento de 156% frente aos nove processos realizados em período imediatamente anterior à adoção de medidas de restrições às atividades econômicas no Estado, entre 6 de fevereiro e 13 de março. Já o número de audiências subiu de 12 para 47 nesse intervalo – expansão de 292%
Desde a segunda quinzena de março, 11 mediações no Estado trataram a adoção de medidas protetivas, oito abordaram demissões coletivas e outras quatro envolviam redução de jornada e suspensão de contrato de trabalho. Compõem as negociações 21 sindicatos de trabalhadores, 23 empresas que atuaram sem sindicato e nove sindicatos patronais, segundo o TRT-RS. Os processos abrangem mais de 200 mil trabalhadores no Estado, estima o vice-presidente do TRT-RS, Francisco Rossal. O desembargador destaca que, neste momento, a maioria das demandas tem relação com a crise do coronavírus, seja por aspectos sanitários ou econômicos. 
– Inicialmente, apareceram mediações para tratar de questões básicas de trabalho, como fornecimento de álcool gel e máscaras aos trabalhadores. Agora, estão vindo mais questões relativas às dificuldades econômicas enfrentadas pelas empresas – classifica o desembargador. 
Rossal lembra que, antes da pandemia chegar ao Estado, realizava em média duas mediações por semana. Agora há semanas em que está conduzindo 14 mediações. Para o vice-presidente do TRT-RS, a tendência é de que o número siga aumentando, conforme a crise se agrave. 
Até o momento, as demissões negociadas envolvem metalúrgicos, trabalhadores da indústria calçadista e profissionais da área da saúde, caso do Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família (Imesf) de Porto Alegre. A redução de salário e jornada e a suspensão dos contratos atingem rodoviários, empregados de salões de beleza, do comércio e da indústria metalúrgica. Já as medidas protetivas abrangem categorias de trabalhadores em supermercados, farmácias e vigilância, entre outros.


Casos 
Entre as mediações realizadas nas últimas semanas, a adoção de medidas de proteção ao coronavírus se tornou o tema mais comum. A Central Única dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul (CUT-RS) abriu dois procedimentos sobre o tema em março, voltados aos trabalhadores de supermercados e de farmácias no Estado. Em ambas houve acordo para o fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPI) e a adoção de medidas que garantissem distanciamento seguro entre clientes e funcionários
Na quinta-feira passada, a CUT-RS ainda encaminhou pedido para estabelecer uma nova mediação na Justiça, desta vez com as principais entidades empresariais do Estado. O objetivo é discutir os efeitos econômicos da pandemia.  
– Queremos montar uma estratégia para termos o mínimo de desemprego possível. Nos surpreende que muitas empresas tenham acesso a recursos e, quando veio a pandemia, passaram simplesmente a demitir as pessoas, sem compromisso nenhum com elas – argumenta Amarildo Cenci, presidente da CUT-RS.  
Uma das mediações mais complexas foi pedida pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande, que recorreu ao tribunal após dificuldades para negociar e evitar demissões em três empresas do município. Após seis audiências, conseguiu-se um acordo para preservar em torno de 500 empregos. Além disso, ficou estabelecido que 230 profissionais demitidos terão prioridade para serem recontratados quando a situação financeira das companhias melhorar. 
– Conseguimos atenuar a situação estabelecendo três turnos, com redução de pessoal em cada horário e acordando medidas de proteção à saúde dos trabalhadores – explica Sadi Machado, vice-presidente do sindicato. 


Demandas entre 16 de março e 23 de abril
- Medidas protetivas: 11. Categorias envolvidas: Metroviários, trabalhadores de supermercados, farmácias, correios, indústria calçadista, vigilantes e dos Correios.
- Demissões coletivas: 8. Categorias envolvidas: Metalurgia, indústria calçadista e trabalhadores da saúde (Imesf).
- Redução de jornada e salário: 3. Categorias envolvidas: Trabalhadores rodoviários do transporte intermunicipal, trabalhadores de salões de beleza e metalúrgicos.
- Suspensão do contrato de trabalho: 1. Categorias envolvidas: Comércio de Porto Alegre.
- Total de demandas: 23.


› Compartilhe

COLUNAS

Lições de vida

Lições de vida

Coluna da Fé   13/08/2020

Fé e Descrença

Fé e Descrença

Coluna da Fé   13/08/2020

Assumir a responsabilidade que compete

Assumir a responsabilidade que compete

Coluna da Fé   06/08/2020

FOTOS DO DIA

Lua cheia de graça (Foto: Octacílio Freitas Dias)

  • Assinatura digital

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © , Todos os direitos reservados Agência Vela