Verão teve queda de 1 milhão de raios no RS; média é de 3,61 descargas por km², diz Inpe

02/05/2022
Fonte: g1 RS / Fotos: Gabriel Zaparolli/Divulgação

Fonte: g1 RS / Fotos: Gabriel Zaparolli/Divulgação

Uma pesquisa inédita do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mediu a incidência da queda de raios no Brasil durante o verão de 2022. O Rio Grande do Sul registrou 1,02 milhão de ocorrências. Considerando a extensão territorial do Estado, foram 3,61 raios a cada km².

– O Rio Grande do Sul é muito atingido por sistemas de tempestades grandes, que se formam na Argentina e no Uruguai – explica o coordenador do Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT), Osmar Pinto Junior.

Um dos exemplos dessa condição, explica o especialista, é o raio que atingiu a divisa do RS com Santa Catarina em junho de 2020. Com 709 km de extensão, a descarga elétrica foi a maior já registrada no mundo, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM). A média nacional é de 2,5 raios por km². A relação entre o número de raios e a área de cada estado coloca SC na liderança do ranking nacional, com pouco mais de cinco raios por km². Sergipe e Alagoas, dois dos menores estados do país em território, têm as menores incidências de raios por km² (0,24 e 0,40, respectivamente).

Em todo o Brasil, foram 21,4 milhões de raios no verão: 8,8 milhões em janeiro, 8,2 milhões em fevereiro e 4,4 milhões em março. O número é 11% menor ao observado em 2021. No Rio Grande do Sul, as estações com maior incidência de raios são primavera e verão. O especialista ainda calcula um aumento de 20% a 30% nas ocorrências de raios no estado até o fim do século 21.

 

Cai duas vezes no mesmo lugar?

Os raios, segundo o professor Osmar Pinto Júnior, são formados a partir do atrito entre partículas de gelo em nuvens de tempestade. Se um raio pode cair mais de três vezes por km², ele também pode cair duas vezes no mesmo lugar. O coordenador do ELAT/Inpe cita o exemplo de um cartão-postal brasileiro para desmistificar a ideia.

– A prova de que a expressão não é verdade é o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Ele é atingido, em média, por cinco a seis raios no ano. Vai ser interessante nós acompanharmos também a incidência de raios no Cristo de Encantado, que eu vi que é mais alto que o Cristo do Rio – comenta, bem humorado, o professor Osmar Pinto Júnior.


› Compartilhe

  • doação de sangue
  • Instagram

FOTOS DO DIA

Sentinela – De olhar atento a todos os movimentos (Foto: Octacílio Freitas Dias)

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © 2022, Todos os direitos reservados Agência Vela