Quais são as consequências da paridade do euro com o dólar?

13/07/2022
Fonte: AFP

Fonte: AFP

Um euro vale um dólar. Pela primeira vez em 20 anos, a moeda europeia se desvalorizou até alcançar, nesta terça-feira (12), a paridade com a moeda americana. Quais são as consequências concretas dessa desvalorização?

 

Inflação e poder aquisitivo

Quase metade dos produtos importados na zona do euro é faturada em dólar, contra 40% comprados em euros, segundo o escritório de estatísticas Eurostat. É o caso de muitas commodities, a começar pelo petróleo e pelo gás, cujos preços já subiram nos últimos meses, devido à guerra na Ucrânia. Com a desvalorização da moeda europeia, são necessários mais euros para comprar produtos importados em dólares.

– Os produtos importados em dólares perdem competitividade (...) e ficam mais caros – explicou Isabelle Méjean, professora da Escola Superior Sciences Po, o que contribui para acelerar a inflação e ameaça o poder de compra das famílias.

– Outra veia dessa depreciação é que o turismo de europeus, especialmente para os Estados Unidos, será contido – disse William De Vijlder, economista do BNP Paribas.

Enquanto isso, turistas dos Estados Unidos e de outros destinos ganham com o câmbio e podem consumir mais com a mesma quantidade de dólares.

 

Empresas

O efeito da queda do preço do euro varia de acordo com a dependência que as empresas têm do comércio externo e da energia.

– As empresas que exportam para fora da zona do euro se beneficiam da desvalorização do euro, já que seus preços se tornam mais competitivos, mas as empresas importadoras são prejudicadas – afirma o diretor de pesquisa do banco público Bpifrance, Philippe Mutricy.

As empresas dependentes de commodities e de energia e que exportam pouco vão registrar uma explosão de gastos. Quem sai ganhando é a indústria manufatureira exportadora, principalmente os setores da aeronáutica, os fabricantes de automóveis, a de luxo e a indústria química.

 

Crescimento e dívida

Em tese, a desvalorização do euro torna os preços mais competitivos e estimula as exportações. Isso poderia amortecer o impacto no crescimento da alta dos preços das commodities no contexto da guerra na Ucrânia, especialmente em economias mais orientadas para a exportação, como a Alemanha.

Para o pagamento da dívida dos países europeus, o impacto depende. Um crescimento maior pode “facilitar o pagamento da dívida”, observou Méjean, desde que os mercados vejam a dívida europeia como suficientemente segura, e as taxas de juros permaneçam baixas. Já para os Estados que emitiram títulos denominados em dólares, uma desvalorização do euro aumenta o custo do reembolso.

 

Bancos centrais

A desvalorização do euro acelera a inflação, e isso pode levar o Banco Central Europeu (BCE) a aumentar mais rapidamente as taxas de juros. Este mês, o órgão emissor se prepara para seu primeiro aumento em 11 anos.

– Pode-se dizer que o BCE não deve reagir ao aumento dos preços das commodities, mas seu desafio de controlar a inflação se torna maior, já que o preço das importações aumenta — diz o economista William De Vijlder.


› Compartilhe

  • JDI digital

COLUNAS

Ruminações poéticas

Ruminações poéticas

Pitter Ellwanger   12/08/2022

Playlist #54

Playlist #54

Pitter Ellwanger   12/08/2022

Ruminações ranzinzas

Ruminações ranzinzas

Pitter Ellwanger   05/08/2022

FOTOS DO DIA

Sentinela – De olhar atento a todos os movimentos (Foto: Octacílio Freitas Dias)

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © 2022, Todos os direitos reservados Agência Vela