Primavera deve ter chuva acima da média no RS, alertam meteorologistas

19/09/2023
Fonte: GZH / Foto: Octacílio Freitas Dias

Fonte: GZH / Foto: Octacílio Freitas Dias

Após semanas de chuva frequente e intensa no Estado, os próximos meses devem continuar com tendência de precipitação acima da média histórica no Rio Grande do Sul. O início da primavera, no próximo dia 23, não deve trazer normalização da situação climática no RS, já que, segundo especialistas, outubro e novembro deve ter chuva além do esperado para a época.

O El Niño tem relação com isso, conforme explica Murilo Lopes, meteorologista da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM):

– Quando configurado no Oceano Pacífico, o El Niño tem uma influência muito forte na primavera. Então, mais uma vez, reforçamos que a estação tende a ser bastante chuvosa. Isso não quer dizer que teremos situações de mesma proporção como a que atingiu o Vale do Taquari, mas (na próxima estação) vai aumentar o número de dias com chuva volumosa e condições para tempestade – afirma.

Neste mês, os municípios gaúchos já têm registrado precipitação anormal. Alguns deles observaram volumes de 400mm nos 15 primeiros dias de setembro, como Caçapava do Sul (431,6mm), na Campanha, e Serafina Corrêa (400,8mm), no Norte, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). As quantidades representam mais do que o dobro esperado para setembro nesses municípios. Já Porto Alegre registrou 275,4mm de chuva na primeira quinzena de setembro, quando o esperado para todo o mês é 147,8mm.

Lopes acrescenta que, além da precipitação, a primavera tem tendência a ser mais quente do que a média para a época, também sinal da influência do El Niño. O fenômeno, que atua no Estado desde o início do semestre, não deve perder força no curto prazo:

– Esperamos que o fenômeno continue com intensidade de moderada a forte na primavera, inclusive ganhando força no próximo trimestre.

 

Persistência do El Niño até o fim do verão

Eliana Klering, meteorologista da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), também projeta uma estação com chuva acima da média para o período, cenário que preocupa quando somado às recentes precipitações observadas em setembro no Rio Grande do Sul.

– Em algumas regiões, a chuva deve ultrapassar em mais de 50% a média histórica, principalmente nos meses de outubro e novembro. Nossas redes de drenagem estão comprometidas, e isso faz com que esses eventos de precipitação intensa mereçam um nível de atenção ainda maior – pontua.

Segundo Eliane, no momento, a previsão é de persistência do El Niño pelo menos até o fim do verão de 2024, quando é esperado que as águas do Oceano Pacífico Equatorial esfriem. Além do El Niño, acrescenta a meteorologista, a condição de chuva na região estará associada ao aquecimento das águas do Oceano Atlântico subtropical, resultado de uma alteração no padrão do movimento das águas superficiais do oceano: concentração de gelo marinho, salinidade da água e direção das correntes oceânicas estão entre os fatores que explicam a alteração.

– O El Niño modifica o padrão do vento da atmosfera e faz com que as frentes frias se desloquem com velocidade reduzida. Isso faz com que a chuva seja mais duradoura. Esse fenômeno, associado ao aquecimento das águas do Oceano Atlântico subtropical, torna a nossa região suscetível a eventos extremos de precipitação, chuvas intensas, principalmente até o início do verão.


› Compartilhe

  • doação de sangue
  • JDI digital

FOTOS DO DIA

Natal dos Anjos – Calçadas do Centro recebem tapete vermelho

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © 2023, Todos os direitos reservados Agência Vela