Aos 12 anos, menina com deficiência visual realiza sonho de dançar em invernada

28/11/2021
Caranguejo é uma das danças preferidas de Roberta

Caranguejo é uma das danças preferidas de Roberta

Meio de promover a socialização, é através da dança que a ACT Os Taura, do bairro Bela Vista, busca incentivar a inclusão na entidade. Um dos exemplos é a menina Roberta Rohte Boeff, de 12 anos. Deficiente visual, ela integra a invernada artística há aproximadamente quatro meses e fará a sua estreia nos palcos no próximo dia 9 de dezembro, no Natal dos Anjos. “Dançar em CTG era meu sonho desde pequena”, conta Roberta, com um sorriso largo e ansiosa para a primeira apresentação.

Todas as quartas-feiras, diante do olhar orgulhoso da mãe Vanice Roseli Rohte, de 39 anos, Roberta participa dos ensaios da invernada, coordenados pelo instrutor Anderson Haack. Segundo Vanice, a própria filha conseguiu o contato da ACT, para ir atrás de mais informações. “Ela pediu para a monitora (da escola) dela ir atrás do contato do instrutor. Um dia chegou em casa com o número e me pediu para ligar”, conta a mãe, que prontamente atendeu ao pedido. “Ela se interessa muito pelas danças. No computador dela só tocam músicas tradicionalistas” conta ela que, ao ver o empenho da filha, comprou o seu primeiro vestido de prenda; é salmão. Lindo, lindo!

Dedicada aos ensaios, Roberta é atenta aos detalhes e dá o seu melhor na execução de cada passo. "Às vezes, quando não aprendo um sarandeio no ensaio, fico dançando em casa, no meu quarto, até aprender”, diz ela, orgulhosa dos desafios superados até aqui. “Para mim, também é motivo de muito orgulho. Ela tenta dar o seu melhor em tudo o que faz”, destaca Vanice, contando que, desde o 1º aninho, Roberta frequentou a Associação dos Pais e Amigos dos Deficientes Visuais (Apadev), entidade de Caxias do Sul que teve papel fundamental no desenvolvimento da filha.

 

Relação de confiança

Patrão da ACT Os Taura, Claudir Ostrowski agradece a confiança depositada pela família. “Só temos a agradecer à família por proporcionar a ela e a nós esta experiência”, diz Claudir, destacando o trabalho realizado pelo instrutor Anderson. “Ele a trata com tanto carinho, com tanto cuidado; se dedica a ela, ao seu desenvolvimento. Ela é uma menina dedicada e dança super bem”, completa o Patrão.

Fundamental no desenvolvimento de Roberta, Anderson destaca seu papel como instrutor. “Cada aluno é único e cabe ao professor ter variadas formas de ensinar; e com a Roberta não é diferente, minha explicação precisa formar o desenho da dança em seus pensamentos e assim, com muita troca, estamos evoluindo”, diz ele, que pela primeira vez trabalha com um deficiente visual.

 Antes, ele já havia dado aulas à cadeirantes, portadores de Síndrome de Down, portadores de atrofia muscular, paralisia infantil e portadores do transtorno do espectro autista. “Sempre devemos buscar a inclusão de pessoas com deficiência. Minha vida é a dança e assim tento fazer o possível para abrir as portas das entidades tradicionalistas e grupos que trabalho, conscientizando a todos sobre a importância da inclusão; garanto que nosso aprendizado é ainda maior”, reforça Anderson.


› Compartilhe

GALERIA DE FOTOS

  • JDI digital

COLUNAS

Ruminações ranzinzas

Ruminações ranzinzas

Pitter Ellwanger   05/08/2022

Playlist #53

Playlist #53

Pitter Ellwanger   05/08/2022

Ruminações nervosas

Ruminações nervosas

Pitter Ellwanger   29/07/2022

FOTOS DO DIA

Sentinela – De olhar atento a todos os movimentos (Foto: Octacílio Freitas Dias)

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © 2022, Todos os direitos reservados Agência Vela