Primeiro caso de infecção simultânea por Covid e influenza é confirmado no RS

05/01/2022
Fonte: g1 RS / GZH

Fonte: g1 RS / GZH

O Laboratório Central do Estado (Lacen) confirmou, nesta quarta-feira (5), o primeiro caso de detecção simultânea dos vírus influenza H3N2 e coronavírus no Rio Grande do Sul. O paciente é um homem de 21 anos, residente de Porto Alegre, que apresentou sintomas gripais leves e não precisou de hospitalização.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde (SES), ele tomou a primeira dose da vacina contra a Covid, mas não tomou a segunda. As equipes investigam se ele se imunizou contra a gripe. O paciente não tem comorbidades. Foi atendido no dia 23 de dezembro, com dor no corpo, dor de cabeça e febre. O resultado do exame PCR saiu no dia 28. Ele se recupera em casa. “Situações desse tipo atentam para que sejam mantidas as medidas de prevenção à gripe e Covid-19: uso de máscara, distanciamento interpessoal e vacinação contra as duas doenças”, alerta a SES. A vacinação contra a gripe segue disponível nos municípios que possuam doses em estoque. Todas pessoas acima dos 6 meses de idade podem fazer a vacina.

Desde o início de dezembro, o Lacen já identificou 116 casos de Influenza A-H3N2, incluindo entre eles dois óbitos, sendo um na Capital e outro em São Francisco de Paula.

 

Exames de influenza e Covid

Segundo o Lacen, os vírus respiratórios são monitorados desde a pandemia de H1N1, em 2009. Os casos de influenza são considerados suspeitas de Covid-19, já que trata-se de quadros clínicos semelhantes.

A secretaria faz a análise completa em alguns casos, como hospitalizações e óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), síndromes gripais em crianças ou amostragem em seis prontos atendimentos, caso em que se encaixa o primeiro paciente detectado. Nessas situações, além do exame para o coronavírus, a amostra também é analisada para as influenza (A ou B) e para o vírus sincicial respiratório.

O Lacen informa, por fim, que, em anos anteriores, já houve a identificação do vírus da gripe simultâneo a outros vírus (vírus sincicial ou adenovírus, por exemplo).

 

Fenômeno é chamado de “flurona”

Casos de coinfecção simultânea por Covid-19 e influenza H3N2 podem parecer novidade, mas existem desde o início da pandemia e são subnotificados, de acordo com infectologistas. O fenômeno, chamado informalmente de “flurona”, costuma ser menos frequente do que a contaminação por apenas um dos vírus, mas deve se tornar mais comum em meio à retomada das atividades, a nova onda de Ômicron e o surto de H3N2 no verão, fora de época.


› Compartilhe

  • JDI digital

COLUNAS

Ruminações ranzinzas

Ruminações ranzinzas

Pitter Ellwanger   05/08/2022

Playlist #53

Playlist #53

Pitter Ellwanger   05/08/2022

Ruminações nervosas

Ruminações nervosas

Pitter Ellwanger   29/07/2022

FOTOS DO DIA

Sentinela – De olhar atento a todos os movimentos (Foto: Octacílio Freitas Dias)

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © 2022, Todos os direitos reservados Agência Vela