R$ 10 é a nova nota de R$ 1: está certo o meme sobre inflação que circula nas redes?

01/12/2021
Fonte: GZH – Marta Sfredo

Fonte: GZH – Marta Sfredo

Com a inflação alcançando níveis raramente vistos depois do Plano Real, a sensação é de que o dinheiro na carteira – nos aplicativos – já não é o mesmo. E é verdade. Mas será que a cédula de R$ 10 é a nova nota de R$ 1, como circula nas redes sociais? A resposta curta é: depende do índice de inflação.

A coluna da jornalista Marta Sfredo (GZH) usou a Calculadora do Cidadão, do Banco Central, para verificar quanto valeria hoje uma cédula de R$ 1, lançada em julho de 1994. Pelo indicador oficial de inflação, o IPCA, o valor resultante até o final de outubro foi de R$ 6,57, refletindo alta acumulada de 557,11%. Mas com outro indicador, o IGP-M, o “novo valor” de R$ 1 passa dos R$ 10: chega a R$ 11,34, resultado de inflação acumulada desde agosto de 1994 de 1.034,28%. Neste ano, o IPCA acumulado em 12 meses até setembro foi o mais alto para o mês desde 1994, logo depois da estreia da cédula de R$ 1, que saiu de circulação em 2005.

Pela primeira vez desde 2015, a inflação oficial, medida pelo IPCA, deve fechar 2021 em dois dígitos. Depois do Plano Real, a inflação só havia fechado o ano nesse patamar três vezes: em 1995, ainda em acomodação em relação a anos anteriores com até três dígitos; em 2002, com a disparada cambial provocada pela eleição de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência; e em 2015, com a baixa de juros em período de inflação alta e a reeleição de Dilma Rousseff.

Em parte provocada pelo desarranjo das cadeias produtivas e de logística, a alta de preços é um problema mundial, de fato. No Brasil, está muito acima da média global pela pressão do dólar. E como a coluna já mostrou, acumulados em dois dígitos aparecem apenas em países mais problemáticos. A coluna atualizou a tabela publicada na época, do site Trading Economics, que tinha dados até setembro, na maioria dos casos, para incluir outubro.

 

Inflação pelo mundo

Quebrados ou em guerra

Venezuela: 1.576%

Sudão: 366%

Síria: 139%

Líbano: 69,5%

Suriname: 69,5%

 

O pelotão do Brasil

Haiti: 10,9%

Ucrânia: 10,9%

Brasil: 10,67%

Uzbequistão: 10,6%

Belarus: 10,5%

 

Os ricos

Estados Unidos: 6,2%

Canadá: 4,7%

Reino Unido: 4,2%

União Europeia: 4,4%

China: 1,5%

 

Os latino-americanos

Argentina: 52,1%

Uruguai: 7,9%

Paraguai: 7,6%

Chile: 6%

Colômbia: 4,6%


› Compartilhe

COLUNAS

Além do próprio umbigo

Além do próprio umbigo

Pitter Ellwanger   14/01/2022

Playlist #24

Playlist #24

Pitter Ellwanger   14/01/2022

Playlist #23

Playlist #23

Pitter Ellwanger   07/01/2022

FOTOS DO DIA

Na praia ou em qualquer lugar, a ordem é se exercitar (Foto: Octacílio Freitas Dias)

  • Assinatura digital

O Jornal Dois Irmãos foi fundado em 1983. Sua missão é interligar as pessoas da cidade, levando-lhes informações verdadeiras sobre todos os setores da sociedade local, regional, estadual e nacional.

SAIBA MAIS

SIGA-NOS!

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jornal Dois Irmãos © 2022, Todos os direitos reservados Agência Vela